sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

ATPC - Proficiencia Leitora





SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
EE PROF ANTONIO MARTINS DA SILVA
PC Maria Ofelia Tupan  -ATPC- SEMANAL  Dat
OBJETIVO: Estudar  - Pratica da leitura e proficiência leitora


Para  reflexão
v A proficiência leitora deve ser aprofundada em todas as disciplinas ?
v  De que maneira a proficiência leitora do aluno é avaliada?
v Quais são os aspectos que constituem a proficiência leitora e qual a sua  Natureza
v Quais deles são considerados numa avaliação  dada a sua especificidade?
v De que maneira a escola pode organizar situações didáticas que podem possibilitar o trabalho com esses aspectos?
v Que condições necessitam ser garantidas para que esse trabalho seja realizado de maneira a possibilitar a constituição da proficiência leitora do aluno?




Aspectos Constituem a Proficiência Leitora?
A atividade de leitura é complexa e envolve vários aspectos que se articulam e se relacionam de maneira intrínseca. As investigações das últimas décadas têm mostrado quais são esses aspectos, os quais puderam ser observados – e, posteriormente, caracterizados – na maneira como se comportavam os leitores proficientes em práticas de leitura variadas.

O conhecimento produzido hoje nos permite afirmar que a constituição da proficiência leitora dos alunos envolve trabalhar com aspectos identificados por alguns (Lerner; 2002)10 como os conteúdos de ensino que não podem ser tratados explicitamente de maneira verbal. Considerando as contribuições teóricas mais recentes, podemos afirmar que são três os aspectos fundamentais a serem considerados no trabalho com leitura: os comportamentos leitores, as habilidades de leitura e os procedimentos de leitura. Esses aspectos – como se disse acima – não são mobilizados de maneira estanque, mas inevitavelmente articulada, estando todos eles presentes nas práticas de leitura das quais se participa.
No entanto, é interessante, para que se possa compreender melhor o processo de leitura, que esses aspectos sejam tratados em separado, apenas para que sua natureza seja mais bem especificada e para que, quando a escola for organizar uma atividade de leitura, possa otimizar seu trabalho, tendo mais clareza do que está focalizando em cada prática e sendo capaz de selecionar as atividades que sejam mais adequadas para a abordagem de cada aspecto. Dessa forma, certamente, a escola poderá contribuir de maneira mais efetiva para a constituição da proficiência dos leitores.


Os Comportamentos Leitores
Os comportamentos leitores referem-se ao que Delia Lerner caracteriza como sendo a dimensão social do comportamento leitor; são atitudes mais relacionadas a valores construídos em relação à leitura e ao ato de ler. São atitudes como:
a) socializar critérios de escolha e de apreciação estética de leituras;
b) ler trechos de textos que gostou para colegas;
c) procurar materiais de leitura regularmente;
d) frequentar bibliotecas (de classe ou não), zelando pelo material de leitura;
e) comentar com outros o que se está lendo;
f) compartilhar a leitura com outros;
g) recomendar livros ou outras leituras que consideram valiosas;
h) confrontar com outros leitores as interpretações geradas por uma leitura;
i) comparar o que se leu com outras obras do mesmo ou de outros autores;
j)contrastar informações provenientes de diferentes fontes sobre um tema de interesse;
k)realizar a leitura de maneira a acompanhar um autor preferido;
l) atrever-se a ler textos difíceis, entre outros.
Como se pode observar, esses aspectos  só podem  ser avaliados por meio de observação e de atividades incorporadas a rotina de classe, pois supõem a socialização de informações a respeito de material de leitura, implicando, necessariamente,a interação com outros leitores, não apenas com o material de leitura. Portanto as  avaliações realizadas por escrito, individualmente, que supõem a resposta a perguntas realizadas sobre o conteúdo dos textos apresentados nos itens, não contemplam   compartilhamento de informações sobre material de leitura entre diferentes leitores.
De qualquer forma, ainda que esses aspectos não sejam foco das avaliação escritas,
são constitutivos da proficiência leitora e devem ser tomados como objeto de ensino nas práticas escolares de sala de aula.Cabe à escola, portanto, selecionar as práticas que considerar que podemcontribuir da melhor maneira para a formação do leitor.


Os Procedimentos de Leitura
Os procedimentos de leitura são aqueles aspectos denominados por denominados por Rojo (2002)11, como “um conjunto mais amplo de fazeres e de rituais que envolvem as práticas de leitura”.
São exemplos de procedimentos, entre outros:
a) ler da esquerda para a direita e de cima para baixo no ocidente12;
b) folhear o livro da direita para a esquerda e de maneira sequencial e não salteada;
c) escanear as manchetes de jornal para encontrar a editoria e os textos de interesse;
d) usar caneta marca-texto para iluminar informações relevantes numa leiturade estudo ou de trabalho, por exemplo;
e) reler um fragmento anterior para verificar o que se compreendeu;
f) adequar a modalidade de leitura – exploratória ou exaustiva, pausadaou rápida, cuidadosa ou descompromissada... – aos propósitos que se perseguem e ao texto que se está lendo.



 São consideradas modalidades de leitura, entre outras, as seguintes:
h) “leitura integral (leitura sequenciada e extensiva de um texto);
i) leitura inspecional (quando se utiliza expedientes de escolha de textos para leitura posterior);
j) leitura tópica (para identificar informações pontuais no texto, localizar verbetes em um dicionário ou enciclopédia);
k) leitura de revisão (para identificar e corrigir, num texto dado, determinadas inadequações em relação a uma referência estabelecida);
l) leitura item a item (para realizar uma tarefa seguindo comandos que pressupõem uma ordenação necessária);
e) leitura expressiva (realizada quando se lê em voz alta um texto para uma determinada audiência, procurando dar mais expressividade ao que se lê:utilização de recursos adicionais para dramatizar, utilizar entonação que caracterize, por exemplo, intenções de personagens, vozes das mesmas, entre outros recursos).

  Para poder observar os comportamentos leitores apropriados pelos alunos, você precisa oferecer referências aos alunos a respeito de quais comportamentos são esperados de um leitor em uma socialização de leituras realizadas. Assim sendo, inicie apresentando você mesmo um livro lido e pontuando:
-porque você escolheu aquele livro para apresentar à classe;
-se tomou como referência o autor e por que (já havia lido obras do mesmo e as apreciou);
-se tomou como referência o tema ou o gênero, sempre explicando suas razões e relacionando também com a possibilidade de os alunos virem a gostar também da obra em questão;
  se tomou como referência a editora ou a ilustração, também explicando os motivos;
-se gostou de algum trecho em particular, lendo-o para os alunos;
-se apreciou o jeito como o autor escreve, apresentando alguns recursos que ele utiliza;
-se o livro apresenta alguma maneira diferente de organização , se  o mesmo  tem um jeito todo especial de denominar os capítulos da obra,  entre outros aspectos possíveis.
  Solicite a alguns alunos que apresentem a obra que leram, procurando fazer comentários como os que você fez. Informe que nem todos os alunos comentarão a obra lida naquele dia, mas que essa atividade  deve acontecer semanalmente ou  com periodicidade regular,  os demais irão se manifestando, aos poucos. Planeje com eles a quantidade de manifestações por dia: por exemplo, 5 apresentações.

Enquanto os alunos forem apresentando, você vai, por um lado, observando quais comportamentos foram apropriados,e fazendo anotação , por outro lado, vai fazendo perguntas relativas a comentários que os alunos não realizaram, tanto para explicitar a necessidade deles à classe ao informar os demais alunos sobre a obra, quanto para que, ao responderem as questões, o professor possa analisar se são capazes de realizar aquele comentário — e, portanto, se já se trata de comportamento leitor possível de ser realizado com ajuda — ou não. É importante dizer que, nesse processo, os comentários realizados autonomamente, revelam procedimentos autônomos (conhecimento apropriado); os que necessitarem do apoio do professor para serem feitos, ainda estão em construção.

O que o professor deve observar?

  1. Apresentou a obra falando do título?
  2. Apresentou a obra falando do autor?
  3. Estabeleceu relação com outras obras já lidas, do mesmo autor?
  4. Referiu-se ao gênero (se escolheu fábulas, porque gosta de fábulas, por exemplo, ou crônica, ou conto de fadas...)?
  5. Referiu-se ao gênero (se escolheu fábulas, porque gosta de fábulas, por exemplo, ou crônica, ou conto de fadas...)?
  6. Relacionou essa ilustração com outros do mesmo autor ou de diferentes autores?
  7. Apresentou motivações pessoais para a escolha, relacionando com sua vivência, por exemplo?
  8. Realizou apreciações sobre a obra relativas ao conteúdo?
  9. Realizou apreciações afetivas sobre a obra?
  10. Realizou apreciações relativas aos recursos estilísticos e estéticos utilizados pelo autor?
  11. Leu um trecho de que tenha gostado muito?
  12. Apresentou comentários críticos sobre as posições do autor apresentadas no texto (se for o caso), inda que implicitamente?
  13. Recomendou a leitura aos colegas, explicando porque?

Capacidades de compreensão
São aquelas relacionadas mais diretamente às estratégias cognitivas de leitura20:
a) ativação de conhecimentos;
b) antecipação ou predição de conteúdos ou propriedades dos textos;
c) checagem de hipóteses;
d) redução de informação semântica:
i. localização de informações;
ii. construção de informações a partir de comparação de trechos do texto;
iii. generalização de informações (síntese de informações contidas no
texto, realizada após análise das mesmas, de modo a organizar conclusões
gerais sobre fatos, fenômenos, situações, problemas, que sejam
tema dos textos lidos);
e) produção de inferências locais;
f) produção de inferências globais



Capacidades de apreciação e réplica do leitor em relação ao texto
São relacionadas aos aspectos discursivos implicados no ato de reconstrução dos sentidos do texto. Algumas delas:
a) recuperação do contexto de produção do texto; (finalidade, características do gênero, autoria,
intencionalidade, suporte, interlocutor etc.)
b) definição das finalidades da atividade de leitura;
c) definição das finalidades presumidas do texto;
d) percepção de relações de intertextualidade;
e) percepção de relações de interdiscursividade;
f) percepção de outras linguagens;
g) elaboração de apreciações estéticas ou afetivas;
h) elaboração de apreciações relativas a valores éticos e/ou políticos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário