sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Proficiencia Leitora 2 - gêneros



SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR
EE PROF ANTONIO MARTINS DA SILVA
PC Maria Ofelia Tupan  - ATPC SEMANAL  Data

OBJETIVO:  1 Estudo sobre gêneros e sua importância na proficiência leitora


“Uma recomendação é imprescindível: que o professor, ao organizar a atividade de escrita, apresente ao aluno (ou defina com ele) as características do contexto de produção (para quem escreverá, com qual finalidade, de que lugar escreverá, onde circulará o texto, em que portador será publicado, em qual gênero deverá ser organizado o texto). Essas características colocam restrições aos textos — determinando escolhas — as quais devem ser respeitadas, sob pena de o texto resultar ineficaz.” 
O Processo de produção de texto – Kátia Brakling

Texto para estudo
Gêneros do discurso e textos
Os gêneros são formas de enunciados produzidas historicamente, que se encontram disponíveis na cultura, como notícia, reportagem, conto (literário, popular, maravilhoso, de fadas, de aventuras...), romance, anúncio, receita médica, receita culinária, tese, monografia, fábula, crônica, cordel, poema, repente, relatório, seminário, palestra, conferência, verbete, parlenda, adivinha, cantiga, anúncio, panfleto, sermão, entre outros.
Qualquer manifestação verbal organiza-se, inevitavelmente, em algum gênero do discurso, de uma conversa de bar a uma tese de doutoramento, quer tenha sido produzida em linguagem oral ou linguagem escrita.

Os gêneros podem ser identificados por três características fundamentais: o tipo de temas que podem veicular, a sua forma composicional e as marcas lingüísticas que definem seu estilo. Não é qualquer gênero que serve para se dizer qualquer coisa, em qualquer situação comunicativa. Se alguém pretender discutir uma questão controversa como a descriminalização das drogas, ou como a adequação da institucionalização da pena de morte como forma eficiente de combate à criminalidade, precisará organizar o seu discurso em um gênero como o artigo de opinião, por exemplo. É o gênero que pressupõe a argumentação em favor de questões controversas, mediante a apresentação de argumentos que possam sustentar a posição que se defende e refutar aquelas que forem contrárias à que se defende.
Se a finalidade, por outro lado, for relatar a um grande público um fato acontecido no dia anterior, a notícia poderá ser o gênero escolhido. Se o que se pretende é orientar alguém na realização de determinada tarefa, poderá escrever um manual, por exemplo, ou relacionar instruções. Se se deseja apresentar algum ensinamento utilizando situações exemplares protagonizadas por animais selecionados de acordo com a possibilidade de representarem determinadas características humanas, então, a fábula é o gênero mais adequado.
Portanto, saber selecionar o gênero para organizar o seu discurso implica conhecer suas características para avaliar sua adequação às finalidades colocadas para a situação comunicativa, ao lugar de circulação, e a todo o contexto de produção determinado.
Pode-se mesmo afirmar que o conhecimento que se tem sobre um gênero determina as possibilidades de eficácia do discurso.
Dessa forma, a proficiência do aluno depende também do conhecimento que tem sobre os gêneros e sua adequação às diferentes situações comunicativas. Suas características, portanto, devem ser objeto de ensino, precisam ser tematizadas nas atividades de ensino.


Os alunos não  lêem  gêneros , mas textos organizados em gêneros
Identificação do contexto de comunicação do texto e condições de produção e recepção de texto

   Identificar em um texto-  a finalidade do texto ;o gênero; formato do texto; publico alvo;suporte de circulação original;  tema ,assunto, opinião; espaço de circulação social;  características do autor   ;protagonistas do discurso ; valores sociais associados às variantes lingüísticas ,dêiticos de tempo, lugar . Identificar possíveis elementos da organização interna do gênero
Condições de Produção Textual
  1. Interpretar textos relacionando-os aos seus contextos de produção e de recepção (interlocutores, finalidade,espaço e tempo em que ocorre a interação), considerando fatores como gênero, formato do texto, tema, assunto, finalidade, suporte original e espaços próprios de circulação social.
  2. Identificar esferas discursivas, suportes de circulação original, gêneros, temas, finalidades, público-alvo, possíveis objetivos de produção e leitura, espaços próprios de circulação social, formas, constituintes e recursos expressivos em textos.
  3. Identificar os possíveis elementos constitutivos da organização interna dos gêneros.
Reconstrução do sentido de um texto
  1. Inferir tema ou assunto principal do texto.
  2. Identificar o sentido de vocábulos ou expressões, selecionando a acepção mais adequada ao contexto em que estão inseridos.
  3. Localizar informações explicitas  em um texto  (Organizar com os alunos esquemas textuais)
  4. Seqüenciar as  informações,
  5. Distinguir o fato da opinião
  6. Identificar informações não verbais , pressupostas ou subentendidas no texto
  7. Colocar o titulo  ou legenda apropriados a um texto  ou uma foto
Parte significativa do processo de (re)construção dos sentidos de um texto está diretamente relacionada à percepção de suas condições de produção, que permite ao leitor situá-lo adequadamente como um evento discursivo. Nesse sentido, identificar elementos como os protagonistas do discurso, os objetivos do texto, o suporte utilizado, o gênero (e seus componentes) e os espaços de circulação envolvidos no discurso, os valores sociais associados às variantes linguísticas utilizadas é parte essencial da compreensão do texto. Razão pela qual uma das competências básicas do leitor, em qualquer nível de proficiência, é a de resgatar, com base nas suas marcas específicas (faz referência à função dos pronomes pessoais e demonstrativos, tempos verbais e outras categorias gramaticais que relacionam enunciados aos aspectos de tempo, espaço e pessoa na enunciação, isto é, dêixis é a localização e identificação de pessoas, objetos, eventos, processos e atividades sobre as quais falamos ou a que nos referimos no momento da interação verbal. personagens, tempo e lugar, as determinações lingüísticas do suporte etc.), aspectos das condições de produção relevantes para a compreensão do texto ou de parte dele. O famoso poema romântico “Canção do exílio” é um exemplo em que a ocorrência dos dêiticos de lugar é fundamental para a constituição de sentido do texto.Neste bloco estão incluídos os seguintes conteúdos de estudo da área: Discurso, texto e textualidade.
Gêneros discursivos: conceituação, classificação, transformação e representação histórica.
Os vários suportes de textos. Os gêneros e os princípios tecnológicos de informação e comunicação. Natureza e função dos textos. O ponto de vista do autor/leitor. O discurso e seu contexto de produção: jogo de imagens, historicidade e lugar social. Condições de produção, circulação e recepção. Os agentes específicos do discurso escrito(autores, editores, livreiros, tipógrafos, críticos, leitores)

Reconhecer diferentes formas de tratar uma informação na comparação de textos que tratam do mesmo tema, em fun­ção das condições em que ele foi produzido e daquelas em que será recebido

O processo de compreensão leitora  baseia-se em procedimentos básicos de (re)construção dos sentidos do texto. Tais procedimentos envolvem a recuperação de informações. Por um lado, as informações que constituem o conteúdo de um texto podem figurar explicitamente (em diferentes graus de proeminência) ou implicitamente (por meio de procedimentos diversos). O que envolve, no primeiro caso, a habilidade de localizar adequadamente essas informações; e, no segundo caso, a de inferi-las de forma autorizada pelo texto, ou seja, com base na identificação dos procedimentos de implicitação utilizados.


Nos procedimentos de leitura estão incluídos os seguintes conteúdos de estudo da área: Mecanismos coesivos – coesão referencial; coesão lexical (sinônimos, hiperônimos, repetição, reiteração); e coesão gramatical (uso de conectivos,tempos verbais, pontuação, sequência temporal, relações anafóricas, conectores intersentenciais, interparágrafos, intervocabulares). Fatores de coerência. Estrutura e organização do texto. Aspectos semânticos,pragmáticos, estilísticos e discursivos da argumentação. Operadores discursivos. Operadores argumentativos. Processos persuasivos. Argumentação. Interlocução e interação. As categorias da enunciação: pessoa,tempo e espaço. Sistema temporal da enunciação e sistema temporal do enunciado. Construção de sentido esignificado. O tom do discurso: valor expressivo das formas lingüísticas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário